GRUPO DE TRABALHO PORTUGUÊS COLABORA COM OMS NO MANUAL DE PLANOS DE SEGURANÇA DE SANEAMENTO

12/02/2014
Um grupo de trabalho português, que a APDA integra, está a apoiar a Organização Mundial de Saúde (OMS) na elaboração de um Manual de Planos de Segurança de Saneamento (PSS) – Utilização em segurança de água residual, e vai realizar um projeto-piloto de demonstração em Portugal.
 
Atualmente, no âmbito do trabalho da OMS, já estão a ser desenvolvidos projetos-piloto de demonstração em países em vias de desenvolvimento, como Índia (Bangalore), Vietname (Hanoi), Perú (Lima) e Uganda (Kampala). Em Portugal, o projeto-piloto da Acquawise será concretizado em colaboração com a Águas do Ribatejo.
 
Os PSS visam promover a reutilização de água residual e salvaguardar a saúde pública de todos os envolvidos no processo. Com a publicação deste manual, a OMS pretende operacionalizar as orientações da terceira edição do “Guia para o Uso Seguro de Águas Residuais, Lamas e Águas Cinzentas na Agricultura e Aquacultura”, que publicou em 2006.
 
Com a perspetiva de promover a discussão a nível nacional e obter contributos importantes para o desenvolvimento do projeto, a Acquawise e a Águas do Ribatejo constituíram um grupo de trabalho com entidades e individualidades do setor.
 
No dia 05 de fevereiro de 2014, realizou-se, em Lisboa, a primeira reunião com o grupo de trabalho constituído, tendo marcado o arranque do projeto. A reunião contou com a participação da Acquawise Consulting, da Águas do Ribatejo, da OMS, da Entidade Reguladora dos Serviços de Água e Resíduos, da Direção-Geral da Saúde, da Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo, da Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas, da Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo, do Município de Benavente, assim como elementos da comunidade científica portuguesa, nomeadamente o Prof. José Saldanha Matos, professor catedrático do Instituto Superior Técnico e a Prof. Maria Helena Marecos, professora coordenadora do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa.
 
No final da reunião, foi com unanimidade que os participantes salientaram a importância do projeto, principalmente atendendo a que o Plano Estratégico de Abastecimento de Água e de Saneamento de Águas Residuais 2007-2013 (PEASAAR II) estabeleceu como meta a reutilização de 10% do volume de água residual tratada, e de acordo com o balanço efetuado pela Entidade Reguladora dos Serviços de Água e Resíduos, essa meta ainda está muito longe de ser alcançada. A reutilização de águas residuais tratadas em segurança constitui um desafio que é necessário ganhar, para bem da sustentabilidade das gerações futuras.
 
Fonte: Acquawise Consulting/ Águas do Ribatejo, EM, SA