LIXOMARINHO.APP LANÇADA HOJE

14/02/2019

Ao permitir a contagem e mapeamento de lixo marinho em praias portuguesas, nomeadamente limpeza de areais, a Lixomarinho.app quer, para além da consciencialização do problema, funcionar como um observatório nacional deste tipo de poluição. A plataforma, em formato de aplicação, foi lançada hoje, tendo sido desenvolvida por investigadores do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente da Universidade de Coimbra em parceria com a Associação Portuguesa do Lixo Marinho.

De acordo com Filipa Bessa, coordenadora do projeto, apesar de haver muitas iniciativas de limpeza de praias em Portugal, é necessário compilar de forma simples e organizada todos os dados que se estão a produzir, para que se possa informar outros atores da sociedade e decisores políticos sobre os níveis de poluição, promovendo, desta forma, alterações efetivas ao impacto deste tipo de lixo.

Quer em tempo real ou posterior, através do registo no website da plataforma, qualquer pessoa pode contribuir, efetuando contagens das suas recolhas de lixo marinho. Esta é a definida contagem simples, composta por 20 itens correspondentes aos materiais e resíduos que mais se registam na costa nacional, e vai indicar as tendências dos tipos de lixo ao longo do tempo.

A contagem científica, por sua vez, é dirigida a técnicos especializados e inclui uma lista mais alargada de categorias, cujas informações podem ser utilizadas pelas entidades responsáveis que monitorizam este tipo de poluição.

A Lixomarinho.app é uma plataforma alargada, de acesso livre de dados, estando igualmente disponível nas redes sociais Facebook e Instagram.

Em média, cerca de oito milhões de toneladas de lixo terminam nos oceanos e as tendências indicam um aumento destas projeções. Entre o metal, madeira, borracha, plástico, vidro e papel, é o plástico que tem mais expressão entre os materiais identificados, ultrapassando os 80%.