SUSTENTABILIDADE DO SETOR: PARTILHAR E APRENDER PARA FAZER MELHOR

02/04/2019

A sustentabilidade dos serviços de águas, assim como as boas práticas no controlo de perdas foram o mote para mais um Encontro Técnico promovido pela Comissão Especializada Sistemas de Distribuição de Água (CESDA) da APDA. O evento contou com 144 participantes, dos quais 70% provinham de Entidades Gestoras, 20% de Fornecedores de Serviços e 10% de Universidades e outras entidades. No total, estiveram representadas 61 instituições num auditório que ultrapassou a lotação de lugares.

A abertura do certame ficou a cargo de Abel Luís, Coordenador da CESDA, Rui Godinho, Presidente do Conselho Diretivo da APDA e Lucinda Fonseca, Vice-Presidente da Câmara Municipal de Amarante, cidade que acolheu o evento e que vai de encontro com a política de descentralização de iniciativas da APDA. Esta permite que o quórum seja mais diversificado, dando oportunidade a presenças que, por vezes, não participam neste tipo de iniciativas devido à distância.

A Gestão de Perdas marcou a primeira intervenção com a apresentação de casos práticos. Flávio Oliveira, das Águas do Porto, expôs o Novo Plano de Gestão de Contadores da cidade Ínvicta, enquanto Francisco van Zeller, da Indaqua, debruçou-se sobre a Pesquisa Ativa de Fugas em Sistemas sem Zonas de Medição de Controlo. Neste painel moderado por Fernanda Lacerda, das Águas do Norte, estiveram também José João Garcez, dos Serviços Municipalizados de Saneamento Básico de Viana do Castelo (SMSB), que apresentou o Plano e os Resultados Obtidos na cidade com a abordagem atual, e José Tentúgal Valente, da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e das Águas do Norte, que mostrou a visão académica sobre a gestão de perdas.

O segundo tema a ser debatido centrou-se nas Medidas para Obtenção de Resultados na Redução de Perdas Físicas. Guilherme Santos, da CESDA e das Águas do Norte, projetou os Indicadores Práticos para Avaliação de Perdas, que pertencem ao conjunto de Fichas de Boas Práticas que comissão especializada dinamizadora do encontro tem preparado e que prevê dar continuidade. Ana Paula Barros, da CESDA e das Águas de Gondomar, moderou a Mesa Redonda sequente, que contou com a participação de Daniel Silva, da CESDA e Aquapor, Guilherme Santos, Hugo Pacheco, da Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos dos Açores, Paulo Nunes, da CESDA e da Indaqua, assim como de José Magalhães Santos, da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão.

Após o período de almoço, a atenção recaiu sobre as Medidas para Obtenção de Resultados na Redução de Perdas Aparentes, onde Hilário Ribeiro, da CESDA e da Itron, apresentou outra Ficha de Boas Práticas da CESDA, esta sobre Consumos Não Autorizados. A Mesa Redonda desta sessão focou a obtenção de Resultados Rápidos no Aumento de Consumos Faturados, tendo sido moderada por Joaquim Poças Martins da FEUP. O painel de participantes foi composto por Ana Rita Santos, da Administração e Gestão de Sistemas de Salubridade, Carlos Magalhães, da Penafiel Verde, Hilário Ribeiro, Joaquim Sousa, do Instituto Superior de Engenharia de Coimbra, e Rodrigo Duarte, da CESDA e Águas de Cascais.

O Encontro Técnico abordou ainda o Balanço de Políticas de Financiamento e Desenvolvimento para o Setor da Água, um tema especial moderado por Abel Luís. De destacar a intervenção de Miguel Martín, Administrador Financeiro da Águas de Portugal, que enquadrou o Financiamento dos Serviços de Água a nível nacional.

Impossibilitado de estar presente no evento por questões de agenda relacionadas com o facto de se celebrar o Dia Mundial da Água, Carlos Martins, Secretário de Estado do Ambiente, quis deixar uma mensagem a todos os presentes. Para tal, gravou um vídeo, onde, para além de enaltecer a importância deste tipo de iniciativas, fez um balanço das políticas para o setor.

A sessão foi encerrada por Rui Godinho e por Lucinda Fonseca vice-presidente da Câmara Municipal de Amarante.

De acordo com a CESDA, o evento, informal e com notável gosto de partilha de boas práticas, conseguiu abraçar dois públicos do setor: os que querem começar, mas não sabem como, e os que, já tendo começado, pretendem validar as suas práticas.

Através desta iniciativa, a que se pode apelidar de jornada técnica, tal a afluência, foi possível entender que replicar práticas é um caminho para melhorar, mas é necessário ter o bom senso de perceber que cada caso é um caso e que, acima de tudo, é sempre possível fazer melhor, mesmo quando os recursos são mais escassos. 

O Encontro Sustentabilidade dos Serviços de Água e as Boas Práticas no Controlo de Perdas pretendeu, assim, contribuir para a sustentabilidade económica e ambiental das Entidades Gestoras, assegurando um mundo melhor para as gerações futuras. Teve lugar na Casa das Artes - Centro Cultural de Amarante, no dia 22 março. 




Design Binário