PORTUGAL “ESTÁ A VIVER ALÉM DA ÁGUA QUE TEM”

23/05/2019

O alerta é da Associação Natureza Portugal, representante do Fundo Mundial para a Natureza (ANP/WWF), que faz recomendações aos políticos, empresas e cidadãos. O objetivo é mitigar os impactos das secas e da escassez hídrica no território nacional, agravados pelas alterações climáticas.

Apresentadas em comunicado, as medidas impelem os governantes à conservação e reabilitação dos ecossistemas aquáticos saudáveis, ao não financiamento de novos regadios em zonas de escassez e sempre que não se garantam sistemas de uso eficiente da água, bem como à redução da procura através do aumento de eficiência de utilização nos diferentes setores.

As empresas são aconselhadas a participar em projetos e iniciativas de pagamento de serviços dos ecossistemas fluviais, a integrar a gestão da água na sua cadeia de valor, assim como a assumir o risco hídrico da atividade e as responsabilidades sobre o uso da água nos planos social e ambiental.

Já os cidadãos devem reduzir os consumos domésticos em permanência, optar por hábitos de reduzida pegada hídrica (alimentação, vestuário, lazer, etc.) e participarem cívica e ativamente, denunciando irregularidades na gestão local da água. São igualmente incentivados a pressionar as autoridades para a adoção e cumprimento dos princípios e objetivos da Diretiva-Quadro da Água.

Segundo a ANP/WWF todo se devem comprometer “com o uso sustentável da água, num país que é parcialmente afetado por escassez hídrica e onde se prevê um agravamento desta condição no futuro próximo”.

 




Design Binário