PRESIDENTE DA QUERCUS: CADA VEZ HAVERÁ MENOS CHUVA EM PORTUGAL

10/01/2020

Em declarações ao Jornal i, Paulo do Carmo, Presidente da Quercus - Associação Nacional de Conservação da Natureza, revelou que Portugal é um dos países mais vulneráveis às alterações climáticas, sendo “a questão da água fundamental para salvaguardar o presente e o futuro porque cada vez haverá menos chuva em Portugal”.

Paulo do Carmo explicava àquele jornal como as depressões Elsa e Fabien, que passaram por Portugal Continental durante a segunda quinzena de dezembro,  “apesar de terem dado prejuízos de grande valor, como na agricultura e na vida das pessoas, foram importantes ao nível do preenchimento de grande parte das barragens, que estavam já numa situação que poderia vir a tornar-se insustentável nos próximos dois ou três anos”, acabando “por ser um mal que teve um impacto positivo nesta área”.

Efeitos das alterações climáticas que se têm registado no país e no mundo, estes fenómenos têm tendência a ser mais frequentes, sendo que Portugal “será fortemente afetado pelas alterações climáticas”, sublinhou o ambientalista.

Para além da vertente meteorológica, o Presidente da Quercus ressalvou ainda a gestão da água. “É fundamental que o Ministério da Agricultura e o Ministério do Ambiente criem entre eles um entendimento de intervenção naquilo que é a política de gestão da água, nomeadamente para a agricultura, salvaguardando os próximos anos. Esta é uma zona onde a gestão da água deve ser feita de uma forma rigorosa e eficiente, combatendo cada vez mais as perdas de água”.

Paulo do Carmo advertiu ainda que “o facto de ter chovido muito em dezembro, o que fez elevar os níveis de caudais dos rios e das barragens, não quer dizer que não seja necessário renegociar acordos como a Convenção de Albufeira. Também não podemos agora dizer que estas questões desapareceram: é importante continuar a trabalhar e proteger setores como a pesca e a agricultura, através de uma melhor gestão da água”, concluiu.

Leia o artigo na íntegra aqui.