BRUXELAS BUSCA SOLUÇÃO PARA CAPTURAS ACIDENTAIS DE GOLFINHOS

26/02/2020

Uma solução para as capturas acidentais de golfinhos e outros animais marinhos nas águas comunitárias. O pedido é da Comissão Europeia (CE) e seguiu por carta para 22 Estados-membros, entre os quais Portugal.

Virginijus Sinkevicius, Comissário Europeu do Ambiente, Oceanos e Pescas, revelou, em declaração publicada no site do executivo comunitário, que “os níveis de capturas acidentais são inaceitáveis” em toda a UE, podendo levar à “extinção de populações locais de espécies protegidas”.

Recorrendo a relatos feitos por autoridades locais, o Comissário exemplifica o quadro com as praias do Golfo da Biscaia, onde, entre dezembro de 2018 e março de 2019, foram avistados 1 200 golfinhos mortos, provavelmente em redes de pesca. Também “no mar Báltico, a já pequena sub-população de golfinhos [da espécie toninha comum] é confrontada com um perigo ainda maior devido às redes estáticas de pesca e redes de emalhar”, destaca.

Porque este problema acontece em todos os mares da União Europeia, Virginijus Sinkeviciusa sublinha que todos os Estados-membros devem atuar em conjunto para garantir uma “aplicação integral e eficaz” das leis comunitárias.

Comprometido em resolver o problema, o responsável indicou também já ter solicitado ao Conselho Internacional para a Exploração do Mar uma “atualização urgente dos pareceres científicos”, e que o tema vai ser abordado nos próximos Conselhos ambientais e de pesca.

Para além de Portugal, os países visados pela carta foram: Alemanha, Bélgica, Bulgária, Chipre, Croácia, Dinamarca, Eslovénia, Espanha, Estónia, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Irlanda, Itália, Letónia, Lituânia, Malta, Polónia, Roménia e Suécia.