ÁGUAS DE PORTUGAL: CONTAS CONSOLIDADAS DE 2020 APROVADAS

17/05/2021

A Assembleia Geral de Acionistas da AdP - Águas de Portugal, realizada a 10 de maio, aprovou o relatório e as contas consolidadas do exercício económico-financeiro de 2020.

O ano ficou marcado por um conjunto de indicadores positivos, como o volume de negócios, que ascendeu a 715,3 milhões de euros, aumentando 3,4% relativamente ao exercício de 2019. O EBITDA, ajustado do excedente de recuperação de gastos, cresceu 2,3% atingindo 374,1 milhões de euros.

 

Destaca-se também uma evolução favorável em indicadores de eficiência operacional, bem como o registo de 55,4 milhões de euros de superavit tarifário, que veio permitir a redução, pelo terceiro ano consecutivo, do desvio de recuperação de gastos acumulado do Grupo AdP.

O resultado líquido, deduzido desse superavit tarifário, foi de 78,6 milhões de euros, o que representa uma redução de 5,5% em relação ao exercício anterior, decorrente do impacto da pandemia e da redução do referencial de mercado para fixação da remuneração acionista das entidades gestoras dos sistemas multimunicipais (Obrigações do Tesouro a 10 anos).

O endividamento líquido, que corresponde a um terço das origens de fundos, registou uma quebra de 9% e corresponde já ao EBITDA gerado nos próximos quatro anos. Este indicador de solidez financeira é particularmente relevante, numa indústria de capital intensivo e com um perfil económico relativamente estável, no largo horizonte dos períodos de concessão.

Detido pelo Estado português, o Grupo AdP - Águas de Portugal foi fundado em 1993 como instrumento empresarial para a concretização das políticas públicas e dos objetivos nacionais no setor do ambiente.

É constituído por 19 empresas, das quais 13 são entidades gestoras de sistemas de abastecimento de água e de tratamento de águas residuais que prestam serviços em 222 municípios de Portugal continental, abrangendo cerca de oito milhões de pessoas.